conto | CASA VELHA

Era uma casa velha e com cara de desamparada. Antes de irmos morar lá, ficara por muito tempo abandonada. Os últimos moradores tiveram dificuldade em vendê-la por ser muito afastada do centro da cidade. Mas era exatamente o que eu e Kyle procurávamos quando a compramos. Um lugar só nosso, longe da agitação dos centros urbanos e muito mais próximo da natureza.
Além do mais, a velha mansão rangente e mal cuidada, tinha seus privilégios e pequenos segredos que ajudaram a nos conquistar. O amplo hall que possuía três saídas nas laterais, dando de encontro à cozinha, à sala de jantar e à sala de estar, esta que levava às escadas que davam para o segundo andar, onde se encontravam os quartos. Além disso, a pequena adega escondida no porão nos ganhou de primeira, nossa paixão por vinhos era tão intensa quanto nossa paixão um pelo outro. As poucas, mas intrigantes passagens secretas que levavam de um cômodo a outro também nos animaram bastante. Estas foram mais difíceis de achar, mas ao longo de algumas semanas havíamos mapeado todas, e nos divertido nelas entre encontros, desencontros e risadas sem fim. Por último, mas não menos importante, uma das descobertas que me deixou mais animada fora o pequeno elevador de cargas que se encontrava no segundo andar, conectado à cozinha da casa no térreo. Dali, Kyle e eu podíamos trocar itens sem precisarmos dar toda a volta por aquela imensa casa.
Foi então em um domingo nublado, que nos prendera o dia inteiro dentro de casa, que algo incrível aconteceu. Eu estava um tanto resfriada devido a repentina troca de temperatura que havia dado no tempo e Kyle fora até a cozinha me preparar chá. Como sabia de minha adoração pelo elevador de cargas, resolvera me alcançar a bandeja com chá e biscoitos através dele, no intuito de tornar toda aquela atividade mais interessante para mim. Porém, quando eu chegara até o pequeno quadrado na parede e abri para pegar minha entrega, junto com o chá e os biscoitos havia uma pequena caixinha de veludo, naquele vermelho clichê dos filmes de romance. Sorri com aquela visão, sabendo o que viria em seguida. Não levou muito para ter ao meu lado no segundo andar, Kyle de joelhos, aguardando que eu abrisse a caixinha que se apresentava em minha frente. Ao levantar a parte superior, fui atingida por um magnífico brilho de um lindo diamante em um anel de noivado. Um diamante novo e brilhante em meio à uma casa velha e antiquada. O que mais poderíamos pedir do equilíbrio do Universo?

Anúncios

quote | UNIVERSES

That’s what if feels like when you touch me. Like millions of tiny universes being born and then dying in the space between your finger and my skin.

I Wrote This For You – Iain S. Thomas (livro)

resenha | AMANHÃ: QUANDO A GUERRA COMEÇOU

Fui levada a conferir o início da série Amanhã, pois há muitos anos atrás, uma amiga minha falou muito bem dos livros, isso quando ainda estávamos na escola. Desde então tenho essa curiosidade pra conferir a tal história que tanto a conquistou. E realmente ela não estava enganada. A série Amanhã é muito boa!
A história conta a luta de oito jovens pela sobrevivência em meio a uma invasão que estão sofrendo em seu país. Os invasores falam uma língua desconhecida, cortaram linhas de comunicação, sequestraram as famílias deles e estão destruindo e saqueando casas por toda a cidade. E os jovens então, unidos, precisam criar um plano para seguirem vivos.
É incrível como podemos ir percebendo, já no primeiro livro, a evolução dos personagens. No início eles são apenas jovens colegiais, cheios de emoções, impulsividades e divertimentos. Porém, à medida que vão entendendo o que está acontecendo, começam a se tornar mais duros, mais tensos, e até mesmo mais corajosos. Antes uma simples cobra no meio da floresta era capaz de amedrontá-los, mas agora, unidos, eles enfrentam soldados treinados e mais armados do que eles.
A história é contada através da narração de Ellie, a protagonista, e esse formato acaba nos fazendo conhecê-la bem. Posso dizer com alegria que amei Ellie. Normalmente tenho receio quanto aos protagonistas, pois alguns me irritam intensamente, mas Ellie é ótima!
Além de tudo isso, o livro ainda ensina várias técnicas de sobrevivência e como agir nesta situação extrema. Então, se algum dia eu precisar deste conhecimento, serei eternamente grata por John Marsden ter me dado ele. Estou ansiosa para conferir o segundo livro da série, que já aguarda em minha estante sua hora de triunfo.

“Nessa vida de castelos de areia,
Duas coisas são firmes como a rocha.
Bondade diante da difiduldade alheia
Coragem diante da dificuldade nossa.”