(TEXTO) Precisamos falar sobre AMOR

Precisamos falar sobre amor. Sim, este sentimento já tão manjado e por vezes monótono. Que parece não ter mais espaço para ser explorado. Mas por incrível que pareça sempre temos coisas novas para descobrir sobre ele. Posso confirmar por experiência própria, a gente está sempre aprendendo sobre os assuntos do coração.
Quanto a isso, tenho alguns amigos que citariam instantaneamente a seguinte música: “Mas a gente aprende, a vida é uma escola.”. E não é que realmente faz sentido? A vida é uma escola que nos ensina a… viver. Olhem só! E como eu sempre costumo responder a esta cantoria: “Algumas pessoas aprendem mais que as outras, e mais rápido também.”. Infelizmente não me enquadro muito bem nesta categoria. Sim, estou aprendendo, mas confesso que a passos meio lentos. Sentimentos são difíceis de explicar, de sentir, de entender, de demonstrar… Enfim, são difíceis e ponto. O amor então, nem se fala!
Tenho escutado tantas histórias de amor, lido tantos livros sobre, visto filmes que o tem por tema central e séries que se apropriam dele deliberadamente. Afinal, todos queremos amar, ser amados, e mesmo dizendo que “Não é amor!”, lá no fundo queremos que seja.
Mas confesso que tenho uma certa implicância com a monotonia com que algumas pessoas tratam este sentimento tão intenso. Não consigo entender aqueles que se acomodam com relacionamentos mornos, cafés com leite, equilibrados e, por assim dizer, desinteressantes. Poxa, o amor não está aí pra isso. Ele não nasceu pra ser sem graça, sem sal e insosso. Ele nasceu pra ser lindo, livre, mágico, prazeroso, especial. Ele nasceu pra ser fogo, não gelo. E não venham me dizer que eu estou falando de paixão, por que esta nasceu pra ser incêndio. Já o amor são as fagulhas que continuam a crepitar embaixo do solo macio, mesmo depois de o incêndio ter diminuído. Portanto é fogo igual!
E agora aquela música do Hunter Hayes faz todo o sentido pra mim, quando diz: “I don’t want easy, I want crazy!”. Exatamente! Quem quer que seja fácil? Eu não. Eu quero que seja memorável, insano e alegre, quiçá até absurdo. Deixem que achem louco. Quero menos “Posso pegar na sua mão?” e mais beijos roubados. Menos flores e chocolates e mais piqueniques em parques ao ar livre. Menos restaurantes chatos e mais lençóis e cobertas. Quero mais Sim, menos Não. Mais sorrisos, mais piadas, mais olhares, mais segredos trocados. Quero mais histórias para preencher os livros, filmes e séries citados anteriormente. Mas quero ser, desta vez, a protagonista destas histórias. A protagonista da minha vida. E quero que esta vida transborde amor.

precisamos falar sobre amor

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s